sábado, 12 de março de 2011

Viver junto


Outro dia uma amiga me disse que o ruim das pessoas acostumadas a viverem sozinhas é que com o tempo elas ficavam cheias de manias. Daí que a tendência era se tornarem mais e mais sós, pois a convivência exige essa tolerância para que o outro bagunce um pouquinho sua vida. O livro largado sobre a mesa, a cortina aberta, o fuso horário de cada um.

Eu gosto da vida a dois, a três, a cinco. Eu venho de uma família que me deu liberdade para tomar minhas decisões e ir aonde quer que fosse sem ter de me explicar. Por isso eu sei o gosto de dividir sem perder a autonomia. E eu tenho esse prazer em compartilhar o espaço e a vida sem perder o espaço ou a vida.

Todas as experiências de viver junto que tive até hoje foram boas. Quando se vive junto, o outro não é o programa. A vida é o programa, e o barato é esse. No namoro, nós saímos pra ver o outro. No casamento, nós saímos pra vida e o outro sai conosco. Ele está ao lado, companheiro.

Eu já me casei algumas vezes e todos foram casamentos pra sempre. Teve a Erika, que dividiu quarto comigo no pensionato e se tornou minha irmã. Teve a casa L, que foi mudando as letras do alfabeto, que teve gente que foi e gente que chegou, mas todo mundo arranjou um outro jeito de ficar. Sempre foi bom chegar em casa e ter alguém pra conversar, ou simplesmente ficar cada um no seu canto, mas sabendo que o outro estava lá. Bom ter alguém que me levasse pra procurar sorvete de madrugada. Alguém que me desse um comprimido para dor de cabeça. Alguém que fizesse um bolo. Que me ouvisse chorar. Alguém que gritasse durante um jogo de futebol na tv. Que me proibisse de sair de jeans. Sempre foi bom ter aquela pessoa que me enchia de alegria só em chegar em casa, quando eu já estava indo dormir.

Amanhã me mudo para a nova casa. E vou agregando, aumentando a família. Mas levo os que ficam. Porque casamento, para mim, tem que ser para sempre.


9 comentários:

Alan Veloso disse...

Adorei Liazinha! Vou passar um bom tempo pensando sobre isso, mas acho que ter um casamento é muito diferente de ter compahia. É importante aprender com todo mundo, mas conviver com a pessoa errada pode resultar em ter maus hábitos e adquirir comportamentos negativos...nesse caminho a gente pode perder coisas que nao tem volta..Acho importante saber aprender a absorver coisas boas das pessoas, mas quem sabe ficar sozinho bem, é pq consegue se aturar.

Alan Veloso disse...

Adorei Liazinha! Vou passar um bom tempo pensando sobre isso, mas acho que ter um casamento é muito diferente de ter compahia. É importante aprender com todo mundo, mas conviver com a pessoa errada pode resultar em ter maus hábitos e adquirir comportamentos negativos...nesse caminho a gente pode perder coisas que nao tem volta..Acho importante saber aprender a absorver coisas boas das pessoas, mas quem sabe ficar sozinho bem, é pq consegue se aturar.

Alice in Wonderland disse...

Que lindo, Lian. Admiro sua facilidade de fazer amigos e de conviver com eles, nessa alegria tão simples e constante, e ao mesmo tempo, tão verdadeira e tão única. Felicidades na casinha nova!!!!!

Fernanda disse...

gosto muito de ler os seus textos e da sua percepção sensível do mundo! bjos carinhosos, Fernanda Cupolillo

Leilane disse...

AMO!!! E já estou com saudades!

Julia Lemos disse...

Nova convivências, novas tolerâncias, novas alegrias! Viva intensamente sua casa nova! beijo!

Euriana disse...

Sabia que é sempre bem vinda no seu antigo casamento..rsrsrs
Boa sorte nesta nova etapa..bjss
PS: Farei uma torta (minha nova especialidade...mas nada de bagunça hein!!!!KKKK)

Mr. G disse...

q graça!! tem seus momentos ruins tb, né? rs! ma sno fim é mara!! ;)

felicidades na nova empreitada! bjs!

Miika disse...

Belo blog. Bonito o modo como escreve. Parabéns.


Se gostar de moda, acesse: blogdamiika.blogspot.com