quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Entre estrelas




E eu fui dirigindo pela noite e agradecendo a este Deus em que não acredito: agradecendo pelas amizades, pelos amores, pelos momentos e pela própria noite. Porque aceitar a falta faz com que reconheçamos a presença. E entre palavras e copos e talheres às vezes um momento de plenitude. Entre estrelas, asfalto e um rádio ligado, também. Às vezes basta abrir as janelas.

6 comentários:

Ana disse...

As noites são sempre plenas na companhia dos amigos.

leonardo brasiliense disse...

gostei muito da mistura de elementos distantes, do jeito como eles se harmonizaram fazendo muito sentido. ótimo insight teu.

Maria Cristina disse...

Noite maravilhosa! Ter os amigos perto é sempre bom, de noite, de dia, de madrugada, enfim...

José María Souza Costa disse...

Passei aqui lendo. Vim lhe desejar um Tempo Agradável, Harmonioso e com Sabedoria. Nenhuma pessoa indicou-me ou chamou-me aqui. Gostei do que vi e li. Por isso, estou lhe convidando a visitar o meu blog. Muito Simplório por sinal. Mas, dinâmico e autêntico. E se possivel, seguirmos juntos por eles. Estarei lá, muito grato esperando por você. Se tiveres tuiter, e desejar, é só deixar que agente segue.
Um abraço e fique com DEUS.

http://josemariacostaescreveu.blogspot.com

G£0rgiA disse...

Foi lindo e especial. :)

Ark disse...

Até que enfim alguém que tem coragem de dizer que não acredita em Deus! E que lembrou a minha Goiânia, não a de 2001, mas a de 1942. Além da pamonha, do curau, do mingau de araruta e do sagu de vinho tinha tatus, antas, tamanduás... Ai que morro...