domingo, 9 de novembro de 2008

A alergia e as alegrias


Para mim, o grande equívoco da natureza é a maldita alergia. Existe armadilha maior do que ter um corpo que reage negativamente a coisas deliciosas e encantadoras? Graças a deus, não tenho restrições a nenhum alimento. Mas tenho muita alergia de cães e gatos. E os adoro. Tenho um desejo irresistível de me aproximar, pegar, brincar, fazer carinho. Mas as consequências são infernais: sentir a garganta arranhando, espirrar, ficar empolada e com coceira, ter o olho irritado. Isso tem me feito pensar duas vezes antes de me aproximar de um bicho. Ao passear em shoppings, não entro mais nos pet shops. Mas, quando aquele gatinho se aproxima manhoso se esfregando todo em mim, não resisto. Abraço, aperto, me esfrego.
Mas ultimamente tenho pensado que esse grande mal, a alergia, retrata muito bem as alegrias, em especial o amor. Pois o amor é tão ambíguo quanto. Existe a parte irresistível, deliciosa, infinitamente doce. Mas não existe amor sem o depósito de uma grande energia, aquilo que damos de nós e que nos é sacrificante, dolorido. Para que o amor se efetive, damos algo de visceral. O ronronar, mas o espirro. Tudo junto. E é assim que se ama. Mas enfrentamos as consequências. Aceitamos espirrar, coçar, empolar, porque sabemos que vale a pena.

6 comentários:

julia disse...

é....hunf...

boogienwoogie disse...

lindissimo lian! e viva o amor ainda que alergênico! e que não nos deixemos embuir de um comportamento hipoalegre pelo medo, quase cego, da coceira repentina ;)

Alessandra disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Alessandra disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Alessandra disse...

hoje fiz uma coisa que nao custumo fazer ver blogs...me surpriendi com o seu adorei...li todo heim...mais o que seria o pensionato? Quando surgiu a sua vontande de ser atriz? vc começou quando? Adorei msm seu blog e pretendo ver novamente mais sera que pode me responder as minhas perguntas se nao for ecomodo.
manda pra esse e-mail ak tah

ales_sandrinha00@hotmail.com

eu volto heim...

vinilliterario disse...

Uma amiga me lembrou dia desses sobre o que pensava a Janis Joplin: que ninguém vive o tempo todo a base de felicidade, mas, sim, de momentos felizes. Acho que é isso. A gente só tem que ver com olhos relevantes esses dias sorridentes.

ps: e, claro, isso fica lindo na teoria. Na prática, a história é um pouco diferente.