terça-feira, 1 de outubro de 2013

Em defesa do Estado...



Mas é claro que tem que bater nos professores.

Não sabiam que o professor tem mais força do que qualquer exército? O professor é aquele que tem o poder de abrir a janela e fazer ver. E se a gente vê... Ah, se a gente puder ver que o mundo não é só isso, então o mundo não será só isso: essa mentira que alguém inventou de contar.

Mas é claro que tem que calar os professores.

Se o professor fala, a gente pode até aprender. E, se a gente aprende, a gente aprende é que não fomos feitos para povoar mundo de mais mundo inerte. A gente entende que vida tem que fazer sentido em uma camada muito mais funda.

Mas é claro que tem que jogar bomba nos professores.

Se o professor luta, a humanidade percebe que a escola é a rua, em permanente espaço de criação e mudança. O mestre ensina pelo exemplo, veja o perigo.

E se a gente resolve seguir o exemplo? E se o mundo muda? Que será dos banqueiros? Do dinheiro? Do refrigerante?

Que será do Poder, se o Amor prevalecer?


7 comentários:

Van Gogh disse...

Você me fez lembrar dos meus professores do ginásio. Professores esses dos bons tempos. Havia um professor, Fortunato, gay, extremamente inteligente, que ás vezes dava uma aula à parte da matéria, sobre vários assuntos. Era bem produtiva a aula, todos participavam. Já a professora de português, que era tratada pelo sobrenome de Marquezelli, ninguém gostava dela porque era austera, mas foi a melhor professora que tive em toda a minha vida. Todos os professores eram excelentes. De lá para cá houve um declínio vertiginoso da educação. O colégio, Monte Líbano, que era tratado carinhosamente pelos alunos como Montinho, baixou as portas, infelizmente, faz tempo.

Giordano Maçaranduba disse...

Belíssimo texto, Lian Tai!!! Mais do que belo, é sincero e revolucionário, não daquela de pegar em armas, mas aquela da insujeição da resistência pacífica, da desobediência civil!
Pela educação não nos sujeitaremos mais às leis e costumes ruins. Não obedeceremos mais o capital que nos manda possuir e não a amar.
Um pequeno texto com um enorme conteúdo contestatório! Tem que ser muito bom pra escrever tão precisamente e de modo simples algo assim! Parabéns, moça!

Clarice disse...

Uma vez professora, professora a vida toda. Depois de ver os dois lados, acredite, há o que mudar em ambos. Mas violência nunca! Por parte de ninguém.Violência é o primeiro sinal de derrota, não de força.

Reivindicações no grito estão começando a perder a força pela banalização(professor tem por obrigação ser criativo)e a polícia está meio perdidinha faz tempo, não?
Violência dá uma biblioteca inteira de discussão e dentro de famílias brasileiras saem exemplos de uma tristeza sem medida. Que acabam na rua, na tv, na rede.Sabe quando seu ouvido seletivo deixa de ouvir o barulho da construção ao lado de sua janela? Assim essa repetição de fatos. O que me conforta é que violência existe desde as cavernas e as civilizações sobreviveram. Talvez tenham sobrevivido os piores, porque eram mais fortes, mas há que crer que tenham sido alguns mais pela inteligência.
E lá se foi mais um jornal. =^.^=

Júnior Dalçóquio disse...

Amei todas as matérias que vi no seu blog, estou apaixonado por ele!! beijão...

DE-PROPOSITO disse...

Andei por aqui.
E que a felicidade esteja por aí.

São disse...

A profissão docente , em todos os seus aspectos, é ( ou deveria ser) um instrumento de liberdade e pensamento!

Claro que isso incomoda muita gente, principalmente quem detém o Poder e quer implantar a Nova Ordem Mundial.

É por esse motivo que tentam desvalorizar a Educação sem olhar a meios.

Saudações portuguesas.

É mesmo necessária esta barra verificatória, quando já tem moderação de comentários?

Juro que não sou nem nunca serei um robot, rrrssss

Justine disse...

Pois claro que "eles" têm de calar os professores. E os enfermeiros e médicos. E os reformados. E todos os outros trabalhadores roubados, humilhados, empobrecidos!
E estou a falar do meu país, onde se passa tudo igual! A repressão pela detenção do poder e da riqueza é igual em todo o lado! Esta semana vai haver aqui, em Lisboa, uma manifestação de militares. E "eles" vão querer calá-los! Francamente, não sei onde vai acabar isto, mas é assustador...
(vim até aqui pela mão da Clarice, cujo blog visito com agrado)
Abraço deste lado do oceano:-))