domingo, 12 de setembro de 2010

"Onde cais, setembro?"

Eu consultei mapas, tracei rotas, planejei fugir. Até fiz minhas pequenas fugas, Jacarepaguá, Praia Vermelha. Eu retornava sem saber se voltara por inteiro. Chorei minhas perdas debaixo do chuveiro. Tive surtos de ira, de nostalgia, de impaciência, de alegria. Amei e desamei pessoas que eu amo. Desconheci os rostos conhecidos. Chovi e fiz sol. E vou deixando, assim, vida se renovar para aguardar a primavera.

6 comentários:

Daniel Borges disse...

disse num poema que escrevi a tempo, que diante de tanta tristeza, não saberia se primaveria novamente, e estou aqui...

flores como vc não morrem nunca, pois são reinventadas em seu devido tempo. Não podemos viver só da beleza da vida, para sabermos dar o devido valor a ela.

bjs

Ana disse...

E que a primavera traga flores para o seu coração!

Maria Cristina disse...

Cais novembro logo!!

Julia Lemos disse...

QUE COISA LINDA!

Alice in Wonderland disse...

E eu adoro ler você, sempre. Seus textos fazem parte de um olhar sensível e mágico, que poucos possuem.

Anônimo disse...

Muito bom ler seu blog .Você é delicada,exótica e impregnada de aroma agradável.Dá vontade de te guardar em uma caixinha e carregar perto do coração...


giancarlog